Pimenta ornamental? Pode comer?

0
1767

 

Em um único pé, as pimentas ornamentais produzem frutos vermelhos, amarelos, alaranjados, roxos… Toda essa profusão de cores faz com que essas pimentas saiam das floriculturas direto para decoração. Mas fica uma dúvida… Pode comer pimenta ornamental?

 

A resposta é sim. Como as outras, a pimenta ornamental também é comestível. Mas devemos tomar um único cuidado. Para torná-las mais duráveis e mantê-las com as cores mais vivas, tanto produtores quanto floriculturas, utilizam muitos defensivos ou até mesmo hormônios. A dica é simples. Antes de utilizar uma pimenta ornamental em uma receita, aguarde pelo menos um mês após sua compra e lave bem os frutos.

 

Caso prefira esperar um pouco mais, deixe para comer apenas as pimentas que nascerem depois da compra, já na sua casa. Dessa forma, temos certeza de que não haverá qualquer resquício de agrotóxicos sobre as pimentas.   

 

 

Como cultivar pimenta ornamental

 

A pimenta ornamental faz parte do grupo Capsicum, no qual estão incluídas as outras pimentas, sendo algumas picantes ou não, como é o caso da páprica doce e páprica picante. Todas as plantas desse gênero requerem cuidados semelhantes:

 

  • Substrato: O solo para cultivar pimentas deve ser bem drenado, ou seja, que retenha pouca água. O substrato mais indicado é uma mistura de 2 partes de terra, 1 parte de areia e 1 parte de matéria orgânica (húmus de minhoca ou esterco curtido).

 

  • Água: Como as pimentas se desenvolvem melhor em solos aerados é importante nunca deixar o substrato encharcado. As regas devem ser feitas em dias alternados ou sempre que o substrato estiver seco.

 

  • Sol: As pimentas exigem iluminação abundante. Por isso, é importante colocá-las em uma janela onde recebam luz solar direta durante uma parte do dia.

 

  • Pragas: De forma geral, as pimentas são plantas bem resistentes, mas estão sujeitas a infestações de ácaros e pulgões. Uma forma de exterminá-los é borrifar água com algumas gotinhas detergente neutro sobre a planta.

 

 

por Carla Baldwin

fonte: sofisticado